O Dia dos Namoradoes deve injetar cerca de R$ 11,5 bilhões na economia brasileira, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgada na segunda-feira (5). O estudo prevê que 92 milhões de pessoas devem ir às compras na data, mas a maior parte dos consultados não pretende aumentar os gastos este ano.

Segundo a pesquisa, ainda que o número de interessados em presentear alguém seja alto, a maior parte dos compradores não deve aumentar os gastos na comparação com 2016. Apenas 9% disseram ter a intenção de gastar mais com presentes. A maior parte (32%) planeja gastar a mesma quantia que no ano passado, enquanto 24% pensam em diminuir. Os consumidores indecisos somam 16%.

Entre os que vão gastar menos na data, a principal justificativa é a situação financeira ruim, com orçamento apertado (44%). Outros 37% dizem que pretendem economizar, enquanto 25% citam o aumento da inflação e da economia instável e 18% por causa de dívidas em atraso.

Já entre os que pretendem aumentar os gastos com presentes, o desejo de comprar um produto melhor (56%) e o encarecimento dos presentes (40%) são os mais mencionados. Apenas 8% disseram que vão gastar mais porque tiveram melhoria na renda, segundo o SPC.

 

Maioria pagará à vista

O meio mais utilizado pelos consumidores, 69% da amostra, será o pagamento á vista. Em 56% dos casos o pagamento será em dinheiro e em 13%, no cartão de débito. O cartão de crédito será usado por 24% dos entrevistados, seja em parcela única (9%) ou em várias parcelas (15%). Entre os que dividirão as compras no cartão de crédito ou de loja, a média é de três prestações por entrevistado.

O gasto médio com os presentes deve ficar em torno de R$ 124. Este valor aumenta para R$ 158 entre os entrevistados das classes A e B e diminui para R$ 114 entre os respondentes das classes C, D e E. Metade dos entrevistados (50%) ainda não sabe ou não decidiu o quanto vai gastar com o mimo da pessoa amada.

 

8% deixarão de pagar alguma conta para presentear

Segundo a pesquisa, 17% dos entrevistados admitem que costumam extrapolar o orçamento no Dia dos Namorados. As justificativas mais frequentes foram o merecimento da pessoa (24%), a vontade de agradar o parceiro, não importando o tamanho do gasto (22%) e a vontade de agradar o parceiro, não importando se o entrevistado teria que fazer dívidas (18%). 

Muitos dos consumidores que vão presentear dizem estar com problemas financeiros. Quase três em cada dez (26%) consumidores que pretendem comprar têm contas em atraso atualmente e 22% estão com o nome sujo. Além disto, 8% afirmam que deixarão de pagar alguma conta para presentear. Por outro lado, 78% dos entrevistados declararam que não têm o hábito de passar do limite e estourar o próprio orçamento com a data, diz o SPC.

 

Roupas, perfumes e calçados

 

Os presentes mais procurados por quem vai presentear serão as roupas (30%), perfumes, cosméticos e maquiagem (18%), calçados (11%), acessórios como cinto, óculos e bolsas (9%), flores (7%), bombons e chocolates (5%), jantares (4%) e celulares e smartphones (3%).

Fonte: G1