O Comitê de Prevenção de Perdas da Apras realizou uma reunião online para debater as ações adotadas pelos supermercados durante a pandemia e para discutir como proceder daqui para a frente. Desde março, os estabelecimentos estão tendo que se adaptar a novas medidas, decretos e resoluções, que mudam de um dia para o outro e que diferem de uma cidade para outra.

Segundo o coordenador do Comitê de Prevenção de Perdas da Apras, Éder Motim, neste cenário, todos tiveram que escrever novos protocolos de gerenciamento de crise, pois ninguém previa algo desta magnitude e a área de prevenção foi fundamental para entender os impactos e adotar novas medidas. “Desde o início desta pandemia, estamos trabalhando todos focados para garantir a segurança dos colaboradores e clientes, além de aumentarmos ainda mais a nossa atenção com o abastecimento adequado das lojas”, destacou.

Passado este primeiro momento, agora os supermercadistas iniciam uma nova jornada, que é buscar previsões de como a pandemia vai afetar as vendas e o comportamento do consumidor daqui para frente. “Os supermercados estão tendo um fluxo menor de clientes em suas lojas, porém houve aumento do tíquete, já que as pessoas estão buscando ir menos às compras”, afirmou Carlos Eduardo Santos, presidente da Abrappe (Associação Brasileira de Prevenção de Perdas).

Apesar desta redução atual no fluxo de clientes, as lojas tiveram que se adaptar a muitas mudanças, como a estocagem de alimentos feita por muitas pessoas no início da pandemia, além das questões culturais que dificultaram a exigência do uso de máscaras em ambientes coletivos.

Segundo Carlos, as vendas podem ser afetadas nas próximas semanas e é necessário fazer estudos de cenário para ver o quanto isso vai impactar no caixa da empresa. Porém, as despesas vão continuar altas devido às medidas que tiveram que ser adotadas no momento atual. “Precisamos estar preparados para a queda nas vendas. Para isso, não podemos mais analisar o indicador de perdas de forma isolada, mas devemos estar cada dia mais ligados com a estratégia e atentos às perdas ampliadas. Além disso, devemos ter a consciência de que a prevenção de perdas protege o lucro da empresa”, complementou.

Neste cenário, o presidente da Abrappe esclarece que será fundamental trabalhar a produtividade e a eficiência do negócio. Outro ponto importante, é estar atento ao consumidor para atendê-lo da melhor maneira possível. “O consumidor quer se sentir seguro e, neste momento, oferecer um plus pode ser diferencial de escolha”.

O especialista completou a reunião dizendo que o comportamento da humanidade será diferente depois desta pandemia. “O cuidado com a saúde vai perdurar por muito tempo e o distanciamento social, o álcool gel e a proteção de acrílico nos caixas provavelmente vieram para ficar”, finalizou.