Houve queda de 2,90% no acumulado de 12 meses, diz APAS.

Pelo quarto mês seguido em 2017, o Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE apresentou redução. Em setembro, houve queda de 0,91%, se comparado com o mês anterior. No acumulado dos últimos 12 meses o resultado do IPS é ainda mais impressionante, apontando para uma redução de 2,90%. Em 2017, os preços registraram decréscimo de 2,58%.

“Estes valores recordes de queda alcançados em setembro são o ápice de uma longa redução de preços de alimentos de peso na mesa do paulista que teve seu início em agosto de 2016, reflexo da crise econômica nacional que alcançaram nos últimos meses recordes negativos no emprego e renda da população, que geraram uma demanda reprimida, refletindo-se na queda no consumo das famílias e contribuindo para esta inflação menor”, explicou Rodrigo Mariano, Gerente de Economia e Pesquisa da APAS.

Ainda segundo Mariano, “ao contrário de 2016, as safras foram recordes em diversas culturas graças à um clima mais estável, o que fez os alimentos In Natura serem os grandes responsáveis, no acumulado de setembro de 2017, deste índice tão baixo.”

Na avaliação desde a criação do Plano Real, em 1994, o IPS/APAS apresenta variação acumulada de 212,35%, já o IPCA/IBGE (Brasil) tem alta de 467%, o IPC-FIPE tem aumento de 352,26% e o IPA/FGV tem variação de 609,64%. Assim, a evolução dos preços ao longo dos anos, aponta uma elevação mais moderada no setor supermercadista, principalmente pela sua característica de concorrência, onde os ganhos de eficiência e produtividade aliados as constantes negociações junto à indústria, possibilitam preços mais competitivos para serem ofertados aos consumidores.

Em setembro, as variações negativas estiveram presentes em 55,41% dos itens, de acordo com o índice de difusão (proporção das variações de preços negativas), ficando acima da média para os últimos 12 meses, que é de 48,95%. Isso demonstra uma maior quantidade de itens com sinais de desaceleração de preços e de quedas nos preços ao longo deste mês.

“Os próximos 3 meses devem observar uma menor queda de preços ou mesmo leve elevação em alguns grupos de produtos devido a dados observados ao longo dos últimos meses que são: a estabilização do desemprego com criação líquida de vagas positiva nos últimos 2 meses; o aumento da confiança do empresariado notadamente a indústria; e, em menor grau, o reflexo das quedas de juros que alivia o bolso das famílias endividadas. Dessa forma pode-se esperar um fim de ano melhor que 2015 e 2016 em vendas e com preços bem mais comportados”, enfatizou Rodrigo Mariano.

Produtos In Natura

Registraram, em setembro, redução de 3,35%, com destaque para os Tubérculos, com retração de 8,65%, puxada pela queda nos preços da batata (14,04%) e Cebola (8,70%). Em 12 meses houve redução de 12,26% nos preços dos Produtos In Natura, e no acumulado de janeiro a setembro a queda de 8,71%.

Produtos industrializados

Apresentaram diminuição, variando 1,20%. Os principais responsáveis foram os derivados do leite (1,57%) e derivados da carne (1,56%). Em 12 meses, os preços dos produtos industrializados estão praticamente estáveis, com 0,15% de aumento. Já o acumulado de 2017 está em queda de 2,31%.

Produtos Semielaborados (Carnes, Leite e Cereais)

Demonstram redução nos preços no mês, de 0,43%. Se por um lado houve elevação nos preços das carnes bovinas 2,18%, isto foi mais que contrabalanceado pela retração nos preços de carnes suínas 3,94%, leite 4,64% e cereais 3,01%. Em 12 meses, os produtos semielaborados registram forte diminuição de 9,81% e no acumulado de janeiro a setembro de redução de 5,81%.

Bebidas alcoólicas

Apresentaram em setembro, variação positiva de 1,94%, reflexo da elevação de 2,44% no preço da cerveja. Em 12 meses, a alta nos preços foi de 5,28%, e no acumulado de janeiro a setembro a variação é de 2,47%.

Bebidas não alcoólicas

Registraram redução de 0,31%, diante da queda, principalmente, nos preços de refrigerantes (0,28%) e suco de frutas (1,77%). Em 12 meses a alta nos preços foi de 4,56%, e no acumulado de janeiro a setembro a variação é de 1,06%.

Produtos de limpeza

Apresentaram retração de 0,41% em setembro. Em 12 meses, a elevação nos preços dos produtos de limpeza foi de 0,66%. No acumulado de janeiro a setembro a queda é de 1,17%.

Artigos de higiene e beleza

Apontaram estabilidade, com queda de 0,01%. Em 12 meses, a elevação nos preços dos artigos de higiene e beleza foi de 1,63%. No acumulado de janeiro a setembro a variação é de 0,36%.