De janeiro a maio o setor supermercadista acumulou alta real de 5,63% na comparação com o mesmo período de 2019, de acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), apurado pelo Departamento de Economia e Pesquisa da entidade. No mês de maio, o setor registrou crescimento de 11,93% em relação a maio do ano anterior, e alta de 3,75% na comparação com abril. Os valores são deflacionados pelo IPCA/IBGE.

“Com a chegada da pandemia do coronavírus (covid-19) e o isolamento social as pessoas intensificaram suas compras de abastecimento com o intuito de estocar produtos e sair menos de casa. Por isso, o aumento nas vendas nos últimos meses já era esperado pelos empresários do setor”, declara o presidente da ABRAS, João Sanzovo Neto.

Sanzovo destaca ainda que as medidas do governo federal para amenizar os impactos da pandemia na economia, principalmente o auxílio emergencial, também tem refletido no crescimento das vendas dos supermercados. Mesmo assim, não descartou os impactos da queda do poder de compra da população no setor gerados pelo aumento do desemprego no país.

“Muitas empresas, para garantir a sobrevivência dos seus negócios precisaram demitir, aumentando a taxa de desemprego, que seguia em lenta recuperação. O Brasil está entrando em uma séria recessão econômica, assim como a maioria dos países do mundo que foram afetados pelo novo coronavírus. Sabemos que o processo de retomada da economia necessitará do subsídio do governo às empresas que ficaram fechadas, e da desburocratização do ambiente de negócio, redução das tributações e taxas de juros para incentivar novos investimentos e contratações no varejo.”

 

 

Abrasmercado

 

Em maio, o *Abrasmercado (cesta dos 35 produtos mais vendidos nos supermercados do país) registrou alta de 1,20% na comparação com abril, passando de R$ 528,14 para   R$ 534,48.  No acumulado dos 12 meses (maio2019/maio2020), o valor da cesta subiu 10,99%. As maiores quedas nos preços foram registradas nos produtos: tomate, -5,89%, papel higiênico, -4,85%, frango congelado, -4,28%, e queijo muçarela, -3,56%. As maiores variações positivas foram observadas nos itens:  cebola, 41,73%, batata, 26,47%, farinha de mandioca, 9,48%, e feijão, 7,84%.

 

Regiões

 

Em maio, a região Norte foi a que apresentou maior aumento no valor da cesta Abrasmercado, 4,50%, que passou de R$ 562,60 registrados em abril, para R$ 587,92. A maior variação negativa foi registrada na Região Centro-Oeste, -0,32%, chegando ao valor de R$ 499,64, ante R$ 501,23.

 

 

*A cesta Abrasmercado não é a cesta básica, mas, sim, uma cesta composta por 35 produtos mais consumidos nos supermercados: alimentos, incluindo cerveja e refrigerante, higiene, beleza e limpeza doméstica. (Clique aqui)

 

 

 

Confira abaixo a tabela com o histórico do indicador Abrasmercado: