Encontro organizado pela Associação Brasileira de Supermercados vai debater estratégias de cooperação entre competidores para uma melhor performance. Ministro da Fazenda Paulo Guedes e Abílio Diniz abrem o evento

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) promoveu dias 20 e 21 de setembro a primeira convenção presencial do setor desde o início da pandemia. A ideia do 55º encontro, realizado em um hotel em Campinas, foi discutir o conceito de “coopetição”, que une as palavras competição e cooperação, estratégia mercadológica que busca resultados positivos para todos através de cooperação mútua.

 

Cerca de 400 representantes de 200 empresas e associações do setor devem ter participado do evento que contou com a abertura do ministro da Economia Paulo Guedes, do ministro da Cidadania João Roma e do empresário Abílio Diniz, presidente do Conselho de Administração da Península Participações e membro dos Conselhos de Administração do Grupo Carrefour e do Carrefour Brasil.

 

“A ABRAS entende que a pandemia reforçou a necessidade de um esforço coletivo de colaboração entre os envolvidos para que avancemos em nossos objetivos de modernização e implantação de uma agenda positiva para o setor,” disse João Galassi, presidente da ABRAS. Segundo ele, os participantes de um mesmo mercado não precisam se enxergar como adversários, mas sim buscar práticas que beneficiem a todos. “Queremos que os convidados saiam diferentes da convenção, que levem boas ideias para colocar em prática na modernização das lojas ou no relacionamento com clientes, fornecedores e funcionários”, afirmou Marcio Milan, vice-presidente da ABRAS.

 

O evento teve uma palestra com os criadores do conceito da ‘coopetição’, os norte-americanos Adam Brandenuger da New York University e Barry Nalebuff da Yale School of Management. Dante Gallian, professor titular da Escola Paulista de Medina, abordou as habilidades humanas aplicadas ao mundo corporativo para criar um ambiente de colaboração e cooperação.

 

‘Esse aspecto de trabalhar juntos para aumentar a demanda e ao mesmo tempo concorrer é uma dualidade difícil de gerenciar mas ao mesmo tempo essencial que seja feita na economia moderna. Esse é o foco da nossa palestra e da nossa pesquisa’, afirma Barry Nalebuff.

 

Para Adam Brandenuger , “a visão de que para ganhar outros têm que perder é uma abordagem que é  o oposto da coopetição. Então, além de mudar a mentalidade, para fazer negócio a partir da coopetição, você precisa encontrar e trabalhar com outras pessoas que tenham essa mentalidade mais aberta. A coopetição vem naturalmente quando você tem um estrategista que pensa essa dualidade’, concluiu.

 

De acordo com o vice-presidente de ativos setoriais da ABRAS Rodrigo Segurado “o avanço das tecnologias e os novos hábitos dos consumidores estimulam o crescimento do varejo, que ganha um impulso ainda maior com a aplicação do conceito de coopetição.”

Entre os palestrantes, estão também:  Kristeen Hadeed, fundadora da Student Maid; Nelmara Arbex, sócia da KPMG no Brasil, Robertus Lombert, especialista em marcas; Cláudia Azevedo, CEO da Sonae; e Geoffrey G. Parker, da Thayner School – Darmouth College e MIT Sloan School.