Nos Estados Unidos, a Amazon Go já popularizou o conceito de lojas autônomas, com mais de 26 unidades operando em todo o país. Aqui no Brasil, a tendência está começando a ganhar força, uma vez que o consumidor da atualidade tem prezado pela conveniência e agilidade dos serviços.

Naiara Secone Ribeiro e Júlio César Lara Ribeiro são proprietários do Mercadoo, um dos exemplos desse tipo de loja, localizado em São José do Rio Preto, nova região metropolitana do estado de São Paulo. “Começamos a desenvolver nosso modelo de negócio há aproximadamente um ano, analisando as tendências de mercado e buscando parceiros que pudessem tornar esta experiência singular de compras possível. Atualmente, estamos com uma loja operando desde junho deste ano e mais três contratos firmados em condomínios para serem instaladas ainda em 2021”. A unidade tem como premissa básica oferecer um serviço conveniente, com um mix de produtos variado, que os clientes têm à sua disposição 24 horas por dia.

“Nossa proposta de valor é ofertar um serviço de alta conveniência, proporcionando comodidade e praticidade aos clientes. Nosso mix é personalizado às necessidades locais; levamos o que o cliente realmente deseja, sem que ele tenha que pagar mais por isso”. Por meio do app, utilizado para realizar a jornada de compras, é possível enxergar os hábitos de consumo de cada cliente e, desta maneira, ser mais assertivo na reposição. “Esse modelo proporciona maior rentabilidade e menos desperdícios à operação, e os resultados têm sido muito promissores”, afirma Naiara.

Carrefour: loja autônoma no formato Express

A rede Carrefour também resolveu investir nesse novo modelo de negócios em áreas comerciais ou residenciais que apresentem grande movimentação de pessoas. “Identificamos uma crescente demanda dos clientes por comodidade e compras menores, principalmente de itens voltados à reposição diária e prontos para o consumo. Por isso, o Carrefour tem investido cada vez mais nos formatos Express”, comenta João Gravata, diretor de Proximidade do Carrefour.

O modelo de loja autônoma faz parte dessa bandeira de proximidade e do portfólio de expansão do Grupo no Brasil. Além disso, vai ao encontro da estratégia de transformação digital do negócio, que quer tornar a jornada de compra de seus clientes cada vez mais cômoda e rápida, dentro de uma plataforma omnichannel. “Atualmente, temos duas lojas autônomas em operação e previsão de abertura de novas unidades até o final de 2021. As lojas autônomas da bandeira Carrefour Express estão em funcionamento desde dezembro de 2020. Há uma loja em ambiente corporativo no coworking CO.W., no Brooklin, na cidade de São Paulo, e outra nos condomínios residenciais Domo Life e Prime, ambos em São Bernardo do Campo”, diz Gravata.

As lojas funcionam 24 horas por dia, 7 dias por semana, e não possuem atendentes – assim, o consumidor tem autonomia e conforto em toda a sua jornada de compra e pode moldá-la ao seu momento e necessidade. “Ele pode fazer uma compra bem rápida ou até mesmo uma longa pesquisa de preços. Para realizar as compras, precisa instalar e se cadastrar no aplicativo Meu Carrefour – disponível para Android e iOS – que será a sua chave de entrada e saída da loja. Com o app aberto, o consumidor clica no ícone Scan & Go e aproxima o QR code na catraca ou na porta para entrar na unidade. Dentro, utiliza a mesma funcionalidade do aplicativo para scanear os produtos que deseja comprar e, assim, eles são inseridos em seu carrinho virtual. O pagamento é feito no próprio Meu Carrefour, utilizando meios de pagamentos digitais. Assim que a compra é finalizada, para sair, basta escanear o QR code novamente na catraca ou na porta”, detalha. Em caso de dúvidas, o cliente tem suporte via WhatsApp em tempo real.

Beepay: tecnologia para suportar o modelo

A empresa, fundada por Renata Costa, Alexandre Ronchi (cofundadores) e Adriano Rosa (CTO) desenvolve soluções para automatização total ou parcial de lojas e conta que, com a pandemia, a procura cresceu muito. Segundo Rosa, embora essa nova proposta esteja ganhando força no País, é necessário ter um olhar atento para o que se deseja oferecer ao consumidor antes de adotar a tecnologia, bem como um cuidado para adequá-la aos seus objetivos estratégicos. “O setor de lojas autônomas no Brasil ainda é novo e demanda um olhar específico para a área. É um varejo diferente, que escala rapidamente, com operações enxutas e muito baseadas em tecnologia. A automatização de lojas ou de parte delas é um caminho sem volta”, afirma.

A Beepay oferece uma solução baseada em aplicativo, ou seja, sem custo de hardware e, segundo os responsáveis, sem necessidade de manutenção. “Além disso, o relacionamento de qualidade e o entendimento do que verdadeiramente o consumidor precisa são os diferenciais”, garante Ronchi.