Passada a novidade do início da operação do Pix, em novembro de 2020, é hora de verificar e investir nas vantagens que o sistema de pagamento eletrônico do Banco Central pode trazer para o varejo. 

 

Uma das principais melhorias apontadas pelos especialistas é a possibilidade de substituição dos boletos. Nas compras virtuais, por exemplo, nem sempre as transações são concluídas nesta modalidade, o que ainda gera o bloqueio do produto até a data de vencimento do documento emitido. 

 

Além disso, o Pix não demanda a ida a uma agência bancária ou à loja para o pagamento do boleto (principalmente em tempos de pandemia e distanciamento social) nem gera custos operacionais para os pagamentos, como no caso dos cartões.

 

O controle da inadimplência é outro benefício que pode ser explorado pelos empresários, uma vez que o dinheiro é debitado na conta do varejista em menos de 10 segundos. 

 

Na prática

A adesão ao sistema Pix, porém, demanda adaptações por parte dos empresários, que precisam fazer a integração e a atualização dos sistemas. O ideal é realizar estes ajustes junto aos seus fornecedores de softwares. 

 

Com informações do InfoVarejo e Fecomercio SP