Empresa é a primeira de Castro a destinar 100% de seus resíduos para reciclagem, compostagem e coprocessamento, gerando impacto positivo ambiental e socialmente

Uma cerimônia nesta segunda-feira (9), certificou a Vapza Alimentos como empresa Aterro Zero, ou seja, uma empresa que não destina resíduos para aterros. Estiveram presentes na premiação o CEO da Vapza, Enrico Milani, o ex-prefeito de Castro, Moacyr Elias Fadel, o secretário de Agricultura de Castro, Carlos Alberto de Oliveira, o diretor de Indústria e Comércio, Antenor Teles, membros da Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Castro e colaboradores da Vapza.

“A Vapza sempre trouxe o impacto positivo em seu DNA o que tem sido fortalecido com o desenvolvimento de uma estratégia integrada de ESG. No pilar ambiental dessa estratégia, nós nos propusemos a potencializar a eficiência ambiental, e a conquista do ‘aterro zero’ contribui para esse desafio”, afirma o CEO da Vapza, Enrico Milani.

Pela legislação brasileira, as indústrias são responsáveis por tratar e dar o correto destino a todos os resíduos produzidos. Esse destino, em alguns casos, são os aterros sanitários comuns ou industriais. Por mais que sejam considerados mais adequados ambientalmente quando comparado lixões e aterros controlados, os aterros sanitários têm capacidade limitada e não proporcionam o reaproveitamento de matéria-prima e insumos. Em Castro, há uma licitação em andamento para ampliação da capacidade do aterro municipal, mas o ex-prefeito da cidade analisa que o problema é crônico em várias cidades.

“A certificação da Vapza é motivo de orgulho para a cidade de Castro. Os municípios sempre tiveram problemas sobre onde colocar os resíduos e a Vapza sai na frente com essa certificação poupando o município de não usar o aterro sanitário municipal. Espero que outras empresas sigam o exemplo para que possamos ter um ambiente saudável dentro do município e ecologicamente correto”, comenta Fadel.

Desde maio deste ano, a Vapza destina 100% de seus resíduos à reciclagem, compostagem ou coprocessamento. A conquista é a primeira ação de um forte comprometimento com a agenda ESG. Além do aterro zero, estão previstas outras ações como o Programa de Voluntariado Coorporativo, incentivo aos fornecedores locais e agricultura familiar, ações de conscientização ambiental, processo de certificação Empresa B entre outras. Neste sentido, a Vapza tem como objetivo não se tornar a melhor empresa do mundo, mas uma empresa melhor para o mundo, gerando impacto positivo para o meio ambiente e a sociedade como um todo.

“Com isso, a empresa contribui para ampliar a vida útil de aterros sanitários no país; também reduz impactos ambientais favorecendo a proteção da natureza, que é essencial para manutenção do ciclo alimentar que sustenta o nosso negócio”, destaca Milani.

 

Parceria com comunidade aumenta a reciclagem

Outra conquista da Vapza em 2022, que contribui para a melhor destinação dos resíduos, foi o aumento no percentual do que é encaminhado para reciclagem. Em 2021, 3,9% dos resíduos eram reciclados; agora, no acumulado dos quatro primeiros meses de 2022, o percentual superou os 7%.

O crescimento na reciclagem foi viabilizado por meio de uma parceria com a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Castro (ACMRC) que, de janeiro a abril de 2022, recebeu da Vapza a doação de 17 toneladas de materiais para serem reciclados. “Com essa parceria, além de ampliar o potencial de reciclagem, expandimos a atuação da Vapza com a comunidade local, fortalecendo a economia regional”, comenta Milani.

 

Melhor reaproveitamento de resíduos contribui para conservação ambiental

Diante do cenário da gestão de resíduos no país, tem crescido entre no Brasil e no mundo o apelo social para que grandes geradores de resíduos se tornem “aterro zero”. Como o próprio nome dá a entender, o conceito prevê desviar de aterro sanitário pelo menos 90% dos resíduos provenientes das operações de uma determinada organização.

Superando a marca mínima, a Vapza desvia de aterro sanitário a totalidade dos resíduos gerados na indústria, evitando o descarte inapropriado de materiais que ainda podem ser reaproveitados para outras atividades econômicas. Com o material coletado da Vapza, o plástico é transformado em granulado que, posteriormente, é utilizado para fabricação de lonas e filmes, além de produtos de embalagens secundárias. Já o material que não é reciclável é transformado em cimento via coprocessamento, gerando o menor impacto ambiental possível.